Água de torneira

Como meu velho fez conosco, Até que te situes aos giros das tramas Farei por ti, direi uns tufos de versos datados. Corre por aqui que sete semanas são suficientes Se queres não ser ou ser algo novo Com sete semanas, disseram de nós Dá-se o câmbio de naturezas Os forecasters batizaram mais um furacão … Continue lendo

Nossa miséria política

Nossa miséria política reside em permitirmos que os centros decisórios (e, portanto, as escolhas sobre os futuros possíveis) operem alheios a nossa ingerência, nossos anseios conscientes e inconscientes. Organizados assim os poderes, ficamos como que espectadores de telejornal, que se prestam a avaliar entre os segundos que separam uma notícia e outra se aquilo é … Continue lendo

Qualquer coisa errada

Qualquer coisa errada temos feito. Admitamos. Algo mais grave que o acúmulo dos tropeções ancestrais. A minha história não tem equivalência. A de ninguém tem. Falo como mais que um, me somo aos de meu tempo, porque é nessa gente que me percebo, que me calibro e me margeio. Quisera lançar um verso de gancho … Continue lendo

Traslalluvia

A chuva me levou o carro E me devolveu as pernas. Volver a ver las calles por fora do frame Voltar a ver as ruas Guardar as chuvas sem parar a brisa Ter aos pés mãos duplas ou triplas A chuva me levou o carro Mas me devolveu as pernas. Tras la lluvia, eu entendi … Continue lendo

Martim dourado

Um pézinho de bambu E um jeito de dizer Que te roubaram os anos de brincar Séria, como quer de nós a vida. Minta: Diga que não vim pra desfazer-te os nós Um cantinho da tua boca desarmada E as crianças cá viriam, todas Com as metades do visconde, todas As direitinhas e as desengonçadas.

Trorfeu

O elogio é um bolo que se come quente. Saiba agradecer, meu filho Saiba não emoldurá-lo Não o por no armário Nem comê-lo frio. O elogio é um bolo que se come quente. Que em bolo guardado o mofo dá E dá de lá o bolor na alma da gente.

Essa gente virada

Essa gente exigente Gente cheia de direito Do paladar refinado E dos intistinos presos Não vim dizer que sou melhor que eles Só me pergunto que tipo de gente é essa Porque sei que foi por eles que trocaram O “bom dia”, “boa tarde” e o “como vai?” que é de costume Pelo “clube de … Continue lendo

Resistir como quem deseja

Foto: Deivyson Teixeira / O POVO Dos meus relatos cada vez mais pessoais. A quem eu falo? Calo quase sempre, mas por quê? Acordo às 9h. Tarde. “No cinto de utilidades, as verdades: deus ajuda a quem cedo madruga em Gotham City.” O fuzuê a essa hora já corria quente no terreiro lá de baixo. … Continue lendo

Dentro do terreiro o quê?

“Hay que endurecer sin perder la ternura.” Ouvi da boca do governador. Fonte: Facebook O poder faz sei lá o que com os homens. E a nós? O que a cidade nos fez? Estou certo do que o que eu via na madrugada de ontem no parque do Cocó pouca gente enxergava. Vou dizer o … Continue lendo

Eu vi El Rey andar de quatro

Os meus músculos são poucos pra essa rede de intrigas. Mas tenho nos olhos quimeras, tenho séculos de espera e eu sempre respirei minha intenção de vida. Com todas as contradições, daqui, desse mundo de conforto que aprendi a achar normal, eu vou empurrando as paredes, roendo amarras e conhecendo as cidades e as pessoas … Continue lendo