A onda que veio

Era eu de pé na beira da praia Quando a onda veio, eu estava Justo aqui, onde pretendo ficar Eu fui, eu voltei Percebam: As ondas que voltam cavam mais fundo Os dedos, a planta e o calcanhar Me acostumei com as ondas tímidas (que fazem cosquinha) Com as caravelas encalhadas na areia, com as … Continue lendo

Mexe qualquer coisa dentro doida entre Teerã e Marrakesh

(Artigo de Rodrigo Santaella originalmente publicado em http://www.psolceara.org.br/biblioteca/artigos/526-toda-solidariedade-aos-lutadores-na-turquia) Na Turquia, o povo se levantou. Trabalhadoras e trabalhadores, famílias inteiras e especialmente a juventude está indo às ruas cotidianamente, ocupando praças e lutando por transformações radicais em sua sociedade. Tudo começou com uma ocupação contra a remodelação do Parque Gezi, na Praça Taksim em Istambul, onde … Continue lendo

Sério?

“O melhor programa social que existe chama-se emprego. Ele garante dignidade ao ser humano, ao contrário de esmolas estatais, que criam uma perigosa dependência. Para gerar melhores empregos, precisamos de menos burocracia, menos gastos públicos e impostos, mais flexibilidade nas leis trabalhistas, mais concorrência de livre mercado e um sistema melhor de educação (não confundir … Continue lendo

Pulga Nº1

Tenho, atrás da orelha, todas as pulgas Bichos criados a soro e natas de culpa Ouço os bips daquele aparelho médico de nome escorregadio É que a cabeça falha sim, mas mais ainda sofre o coração o peso das ressalvas Entre os machismos, as amarras e as fobias diárias Eu tento me trabalhar um nível … Continue lendo

Ouço anjos que anunciam São Geraldos e iguarias

Desperto cedo e já sem sono Aqui na rua de frente, um caminhão de pepsi descarrega o seu produto Tudo é conveniente nessas lojinhas de posto Eu me pergunto pra que tanto refrigerante? Isto é retórica vazia pra quem ontem jantou hambúrguer com coca Itens riscados do cardápio, sucos não são convenientes Vende-se um novo … Continue lendo

O literal zumbi

Esta cidade está tomada pelo medo. Tipos agressivos ocupam as ruas pacatas. Transpiram o gás da atmosfera sombria. Cubro-me de uma moral que não pode crer ou cobrar vassouras e ações desinfetantes. O tipo humano violento, o subumano é minha mais frustrada obra. É o tiro no pé pela culatra. É o encontro com a … Continue lendo

Cota zero

Não faz muito, eu fui amado Tanto fui que cheguei a não querer mais Foi, quem sabe, o instante de maior coragem Quem já teve fartura e teto, abriu a porta e foi dormir no frio? Não faz tempo eu fui amado Mas amar, que é bom, não fui Faz um tempo estou parado Procurando … Continue lendo

Para o alto e além dos legalismos

A narração não toca nesta parte, mas a descrição do vídeo traz uma informação falaciosa. O loteamento não consta na previsão de zoneamento do Plano Diretor (PDPFor 2009) como zona de urbanização consolidada (em rosa escuro, à esquerda do mapa abaixo). O enviesamento retórico se trai ao expor a categoria à qual o loteamento se … Continue lendo

Masters of fi-Sci

Tira tua capa, mestre Tons de honra enfeitam tua fachada Mira minha face, mestre Ouve a frase que agora me disseste… “A mim pertence o teu porvir” Ouve bem e mais uma vez, mestre: “A mim pertence o teu porvir” Tira tua capa, mestre Arma tua guarda E poupa para as mulas teus conselhos Tens … Continue lendo